Arquivo da tag: gestação

Hoje um estranho salvou meu dia

Oie!

Gente a Tpm me pegou e ontem o dia começou com grandes emoções…  a V. acordou com a corda toda, agora ela forma muitas frases e é sempre emocionante e divertido. Ao mesmo tempo, sempre quando pinta uma novidade fico imaginando como a minha mãe ficaria feliz de assistir isso de perto. Quem acompanha o blog talvez já tenha lido em algum post que ela faleceu ano passado.

Bem, eu sei que pode parecer que estou forçando um sofrimento, mas é inevitável e mãe é mãe né? Quando acontece algo super bacana ou nada bacana é a primeira pessoa que eu gostaria de ligar e compartilhar.

Ok, tirei o dia para resolver uns pepinos e as coisas não deram muito certo (poxa!!), ainda tive que escutar umas besteiras e  no fim fiquei com um sentimento de dia perdido e mega arrependida por não ter ficado trabalhando no meu projeto. Acho que preciso voltar a me colocar em primeiro  (ok, segundo) plano na minha vida.

Para falar a verdade acho que vocês não estão entendendo nada né? Mas como tudo deu errado ontem, fiquei  pensando em como estaria a minha vida se a minha mami estivesse por aqui. Quando estava grávida eu e a a minha mãe planejávamos contratar uma baba para ajudar a cuidar da V. enquanto eu estivesse trabalhando. Minha mãe era professora e tradutora e tinha um escritório em casa e esse era o nosso plano até a V. completar 1 ano, depois seria meio período na escola e o restante na minha mãe.

Planos dourados que não foram possíveis, quando a V. estava com 2 meses minha mãe descobriu que estava com câncer e depois de 7 meses faleceu. Nesse período eu estava amamentando  e foi um caos total. A Dinda ajudava a cuidar dela, marido trabalhando, enquanto isso pedi demissão e ficava no hospital e fomos tocando a vida. É claro que amamentei super pouco porque meu leite foi “secando” devido a falta de estimulo. Se alguém por aqui está passando por algum problema parecido o que eu posso dizer é que não me arrependo nem um pouco e se tivesse outra oportunidade faria muito mais. A V. está aqui saudável e sobreviveu a minha ausência nos primeiros meses de vida.

Agora focando na questão dos meus pensamentos e sentimentos de hoje… o que posso dizer é que rola um conflito entre muitas mulheres entre retomar a vida, ou melhor, não parar as atividades ou de simplesmente jogar tudo para o alto e  dedicar todo o tempo para aquele ser dependente que “precisa” da mãe.

Eu (infelizmente) não tenho a “receita do bolo”, mas acho que no fundo todo mundo sabe qual é a melhor decisão. Tenho uma amiga grávida de 7 meses que já está procurando babá e escola porque sabe que quer e precisa voltar a trabalhar depois dos 4 meses. Se ela me dissesse isso ano passado eu acharia uma loucura, mas hoje compreendo e respeito a decisão.

Eu sinto falta de trabalhar e sei que tem gente que pode me achar maluca e que daria tudo para estar no meu lugar, mas não é fácil tocar uma casa com um baby. Não me interpretem mal, hoje é só um “bad day” e diga-se de passagem que minha vida é ótima e me sinto até culpada em me sentir assim. Mas sinto saudades s-i-m de ter mais tempo para mim. Não pensem que isso é draminha de comercial de margarina, eu amo muito a minha filha!

Meu dia é mais ou menos assim: acordo e me arrumo, preparo a mamadeira e acordo a V., troco fralda, roupa, arrumo o lanche da escola, fazemos alguma atividades em casa ou fora, lanche da manhã, almoço, transito, escola, transito, às vezes volto para casa e arrumo a bagunça e aí começo a trabalhar no meu novo projeto, às vezes fico em algum café com internet, penso na janta, busco a V. na escola, transito, janta, louça, banho, mamadeira, brincadeiras e cama. Parece assustador? Posso garantir que é divertido e as vezes difícil. Muitas vezes saímos totalmente da rotina e é delicioso! No momento o marido tá bem envolvido com uns projetos no trabalho e ontem fiquei tentando contar quantas horas do dia sobram efetivamente para mim.

No próximo ano quero me dedicar e engrenar minhas atividades de vez e já vou começar a pesquisar a possibilidade da V. ficar alguns dias período integral ou alguma outra saída.

Bem, depois dessas coisas todas passarem na minha cabeça fui buscar a V. na escola e resolvi levar ela no parquinho e foi aí que conheci o “pai da Marina”. Sabe aqueles papos de mãe para mãe que rolam em um fraldário, play, fila de supermercado? Pois não é que algum anjo da guarda me mandou o “pai da Marina” que vendo a V. com quase um ano de diferença da filha dele chegou a conclusão que o tempo passa muito rápido e que temos que aproveitar muito nossos babies porque eles deixam de ser pequeninos rapidamente. É clarooooo que eu já sabia disso, mas depois de um dia emocionalmente conturbado foi ótimo ser elogiada e o coitado do “pai da Marina” não me falou nada de mais, só fez o favor de me conectar com o mundo valorizando o momento e as minhas escolhas.

IMG_3401

E assim… fiquei aproveitando o parquinho com a V. cheia de lágrimas nos olhos. O mais engraçado é que não dá mais para chorar e disfarçar porque ela logo diz: “a mamãe tá chorando? fez dodói? tá tiste? (é assim mesmo que ela fala)” uma figura que eu amo muito!!

Sorry pessoal, hoje não tem imagens bonitinhas da Minnie :) Bjs!

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Festa de 1 Ano

Olá!

Hoje resolvi contar um pouquinho para vocês sobre a festinha da V. de 1 aninho.

Bem,  particularmente eu estava em momento complicado, faziam 2 meses que eu tinha perdido minha mãe. para ajudar  ficou decidido que no fim de semana do aniver da V. (veio muita gente da família para Florianópolis) faríamos uma cerimonia com as cinzas da minha mãe, então vocês podem imaginar a minha situação. Hoje quando eu olho para traz não consigo pensar como sobrevivi e encarei aquela festa. Na época, organizar uma festa era tipo “missão impossível” para mim, mas não queria deixar de festejar o primeiro aniver da V., não queria que essa data ficasse ainda mais marcada pelo meu drama pessoal.

A melhor solução foi recorrer a uma casa de festa e colocar na mão de uma pessoa especializada a organização de tudo. Aqui em Florianópolis visitei 4 casas de festa e deixo aqui minhas observações:

1. Dino – vou confessar que não amei o atendimento, depois ficamos em contato e a equipe foi super atenciosa, mas o que fez com que eu não optasse por essa casa de festa foi mais o ambiente, sendo mais precisa as escadas. Como as crianças convidadas eram pequenas, imaginei que as escadas poderiam se tornar um obstáculo para elas e para os pais.

2. Casa do Confete –  Achei os valore um pouco mais salgados e também considerei que o ambiente dos pequenos não é no mesmo andar da festa e  mesa do parabéns e ai imaginei a festa dividida e os pais subindo e descendo as escadas. Com certeza as escadas e valores foram determinantes, mas a casa é nova e linda! Perfeita para festas de crianças maiores.

3. Luck July-  Achei o espaço pequeno (isso pq tínhamos muitos convidados), mas depois fui em uma festinha no local e gostei bastante do atendimento, da equipe, decoração e o ambiente é todo plano o que facilita bastante para os pais e crianças pequenas.

4. Balangolé – Essa foi a minha escolha e o mix do atendimento, ambiente plano, área kids e baby ótima e preço foram determinantes. Sai da minha primeira visita com o contrato fechado e antes, durante e depois da festa a equipe foi ótima, super atenciosos e prestativa. Me senti acolhida e segura em deixar a responsabilidade de organizar a festinha da V.

De forma geral observei que todas as festas tem opções de pacotes prontos e parcerias com empresas de decoração … no fim parece tudo igual. Vou confessar que tenho pavor te bonecos, muito balão, banner com a cara dos personagens. Acho isso tudo meio brega sabe? O que eu gosto mesmo é do estilo de festinha americana com aquelas garrafinhas, suqueiras, decoração clean, tags personalizadas, bandeirinhas, pom pom e ao ar livre de preferência. Na época do aniversário entrei em contato com empresas que organizam as festas de forma mais personalizada do tipo que eu a-m-o e infelizmente eles cobram uma fortuna, os orçamento ficaram mais caros do que a opção de casa de festa. Outro ponto é que eu queria muito fazer a festa ao ar livre, mas como o aniversário da V. é na metade de outubro sempre tem um risco bem grande de chuva.

Feita a minha opção, a única responsabilidade que ficou por minha conta foi a fotografia e lembrancinhas.  Acabei ganhando as lembrancinhas e tags de presente de uma fofa que é prima do meu marido e ela realmente tem o dom, ficaram lindas, olha só:

1anolembr valelemb2

As tags para os pirulitos foi uma outra amiga que fez e ai add o papel de scrap e lacinho, olha que fofo:

image00026

Comprei os pirulitos na Xandoca (Em Fpolis/SC) e eles também foram super legais e encomendaram especialmente os pirulitos na cor que eu queria.

Nossa, só agora lembrei de falar sobre o tema! Escolhi o tema dos ursinhos no estilo provençal seguindo a mesma linha da decoração do quartinho da V. e é claro que nessa época ela ainda não tinha vontade própria né? Hoje com 2 anos quando eu pergunto para ela: “V. vamos fazer a festinha de 2 anos da Minnie, Galinha Pintadinha, etc… ela já fala Minnie, imagina no próximo ano.

O modelito da aniversariante foi esse:

festa1ano

Vestido da que ganhamos de um amigo do meu marido (foi comprado nos EUA), laços da Lua de Papel e Sapatinho Dourado (não lembro a marca e já foi aposentado).

Bem, agora vamos as considerações finais:

* Achei a experiência super “confortável” de alguém fazer tudo e eu não ter que pensar em nada, mas mesmo assim rola aquela tensão de “será que vai dar tudo certo”;

* Você terá que fazer o pgto baseado no número de pessoas, então confirme o número de convidados e não tenha vergonha de deixar isso claro para eles. Eu acho sacanagem quem confirma e não vai, mas sei que as vezes temos emergências;

* Escolha um sapato confortável, eu fui inventar de usar salto depois de 1 ano e no fim não aguentava mais;

* Ah, peguei os convites que o Balangolé forneceu e criei também um evento no Facebook para facilitar nas confirmações;

* se vc não tem muitos convidados as casas de festa tem opção de pacotes com maior numero de crianças do que adultos e sai mais barato;

* As festas na sexta-feira à noite são mais baratas;

* 1 semana antes da festa tente poupar seu filho de entrar em contato com viroses porque tem a assombração da festinha de 1 ano sabia? A V. dois dias antes da festa caiu e levou 4 pontos na boca e no fim da festinha a conjuntivite deu o ar da graça :( .

Acho que era isso, não me arrependo de nada e amei a festa!  Acho q hj já sou “menos” fresca e que as próximas festas vão ser mais leves e com menos frufru. Mas acho legal ….curto pensar em cada detalhe e acho que isso faz diferença. Desejo muita sorte (rss) se vc está começando a pensar na festinha porque é divertido, mas dá trabalho e se eu lembrar de algo depois coloco aqui nesse post ok?

Um pouco mais da festinha:

dec2 deco1 deco3 deco4 deco6

Bjs!

Post não patrocinado

2 Comentários

Arquivado em Festa Infantil

Mala da Maternidade – Bebê & Mamãe

mala maternidadeHello Casal Grávido!!

Esse post é para os papais, irmãs, mães e qualquer pessoa que em um momento de apuro coloque a mão na massa, ou melhor, na mala (momento de emoção quando achei a minha lista da mala da maternidade limpando a caixa de emails). Bem, dizem que se conselho fosse bom poderia ser vendido né? Massss, acho que algumas dicas de quem já passou (com muita frescura), por essa situação pode ajudar.

Digo muito frescura porque sou da turma do fru fru sabe? Vou explicar, quando fiquei grávida já sonhava com quartos mimosos, lembrancinhas da maternidade de revista, malinha e bolsa rosa bebê, lacinhos e mais lacinhos e muitos sapatinhos. Muitos mesmo, nossa tenho até vergonha, olha só:

DSC03618Eu ficava de olho em todas as novidades (até hj sou assim), e mesmo tendo consciência de que minhas escolhas poderiam não ser praticas eu assumia o risco.  Mas se eu estivesse grávida hoje tenho 100% de certeza de que seria muito mais relax e abandonaria muitos “protocolos” e “modinhas” que foram criadas com a chegada do Baby (#prontofalei). Ok, vamos as dicas úteis e praticas, segue a minha lista e algumas observações:

Malinha do Bebê

– 4 macacões com abotoamento frontal (Hum,, tem muitos bodies de botão fofos, mas aqueles com zíper são muito práticos sabia? principalmente quando o baby acabou de nascer e você deverá trocar uma media de 8 fraldas por dia, não esqueça de fazer as contas da data provável do parto para adequar o enxoval a estação do ano);

Esses da Carter’s são ótimos, com estampas divertidas e práticos!

-04 conjuntos de pagões ou body (para colocar em baixo dos bodies, opte por tecido de algodão porque nesse período a pele do baby é muito sensível);

Oh, que saudade! Tudo muito organizado.. rssss (hj em dia é uma bagunça porque a mocinha de 85cm adora abrir e revirar as gavetas :)

Oh, que saudade! Tudo muito organizado.. rssss (hj em dia é uma bagunça porque a mocinha de 85cm adora abrir e revirar as gavetas :)

-04 calças com pezinho (mijão / culote) (ótimo porque meia e sapatinhos não param no pezinho dos babies);

-04 pares de meia (não acho muito necesário se vc comprar as calças com pezinho);

-01 manta leve / 1 manta quente / 2 cueiros (Sim, você vai precisar muito dessas mantinhas para forrar o bercinho da maternidade e enrolar o bebe como um charutinho, Ah! Já ensinamos isso aqui);

-01 cobertor de algodão (no inverno, minha filha nasceu em outubro e eu usei! Olha que fofura no berço da maternidade:

Oh!

Oh!

-02 casaquinhos / 2 sapatinhos (talvez para sair da maternidade);

-01 pacote de fralda (Usei RN, minha filha nasceu com 3.150kg e 47cm);

-kit banho a critério (eles normalmente fornecem na maternidade, mas eu levei umas miniaturas da J&J que  até hj ficam na bolsa da escolinha);

-04 fraldas de boca (são super úteis para proteger o body e pescoço do baby no momento da amamentação, aff.. acabei de lembrar do cheiro do leite materno que fica impregnado na sua vida durante meses);

-Essa dica pode não ser muito aceita, mas da próxima vez vou levar bico ( meu marido saiu na madruga para comprar no 2 dia, a Valentina chorava de fome provavelmente e nada do leitinho descer);

-Outra dica que pode causar “pavor”, mas para o próximo baby vou levar uma mamadeira e leite especial para possíveis emergências;

-enfeite da maternidade (eu levei um quadrinho que mandei fazer para o quarto da V. e aproveitei para pendurar na porta) Olha que fofo:

By Rita Lemos - Fpolis/SC

By Rita Lemos – Fpolis/SC

-lembrancinhas (a tia do meu marido faz coisas lindas e me deu de presente as lembrancinhas, eu a-d-o-r-e-i! )

Tinha cheirinho de perfume de bebê

Tinha cheirinho de perfume de bebê

-brinco (não levei e decidi furar só depois de 1mês para evitar possíveis infecções, pode parecer exagero, mas com um micro baby todo cuidado é pouco);

-lacinhos para cabelo….Ehhh, levei e a V. nasceu mega cabeluda, olha a prova:

Momento "para todas as outras coisas existe Mastercard"

Momento “para todas as outras coisas existe Mastercard”

-almofada amamentação (não levei, mas pode ser que ajude).

Malinha da Mamãe

-04 camisolas/ pijamas, com abertura frontal para facilitar a mamada. (Sim, levei e na maior parte do tempo usei um roupão);

-01Roupão (muito prático e útil);

-03 Sutiãs de amamentação de algodão (evite rendas e costuras internas, levei somente 2)

-06 calcinhas (nem lembro quantas eu levei, mas como rola um sangramento básico vale a pena levar umas extras sim e não esqueça que mesmo após o parto você terá aquela barriga básica de 6 meses, assim eu recomendo modelos confortáveis que sustentem a barriga e caso vc faça cesárea evite calcinhas apertadas que façam atrito na cicatriz);

-protetor de seio (levei, mas como o leite demorou para descer não usei muito);

-chinelos (sim!!)

-uma roupa solta e confortável para retornar para casa (principalmente confortável e que comporte a barriga pós parto);

-artigos para higiene pessoal (absorvente, Creme dental, shampoo, sabonete, etc)

-Levei um arco bonitinho para usar, corretivo para as olheiras e blush (super recomendo!);

-Maquina Fotográfica (simmmm!)

-Celular/ pc/ carregadores

-Documentos solicitados na maternidade/ carteira do convenio

Recomendo deixar a mala pronta com 32 semanas, a minha ficou em cima da cômoda no quartinho da V. e eu ficava rodeando e mudando algumas escolhas de roupinhas. Ah, deixei as roupas separadas em saquinhos para facilitar a vida das enfermeiras e do marido.

Fotinho do google porque na época não fotografei :(

Fotinho do google porque na época não fotografei :(

Hum… se fosse hoje eu não ficaria me preocupando em comprar uma malinha especial e muito menos rosa bebê, usaria uma mala de mão ou uma bolsa mesmo. Normalmente as malinhas de maternidade não tem rodinha e aí você acaba não aproveitando nas viagens, além disso as cores claras sujam muito!

Olha a minha escolha da Masterbag:

DSC03633

Hoje ( se eu tivesse que comprar) optaria por algo assim :

mala-maternidade-mae

uma vez fru fru x sempre fru fru

Se você acha que faltou algo nessa lista deixe um comentário, assim ajudamos nossas leitoras ok? Bjs!!

2 Comentários

Arquivado em Gravidez

Cinta no pós – parto

Oie,  ontem falei aqui sobre a minha escolha do parto  (Olha, esse post deu o que falar.. quem não leu clica aqui e confere rapidinho. Ah! não deixe de ler os comentários de nossas leitoras e as minhas respostas que em breve vai virar outro post…rsss) e enquanto escrevia fui lembrando de tudo o que envolve esse momento. Abri um arquivo e fiz uma listinha de posts para colocar aqui no blog para vocês.

Hoje meu assunto do dia é a o uso da cinta pós-parto. Não faz muito tempo que a Mel publicou aqui um post falando sobre a repercussão da barriga da Kate. O fato é que depois do parto vai parecer que você continua gravida de uns 6 meses. Que fase essa né? Um dia uma vizinha me perguntou “ainda não nasceu” e a Valentina tinha nascido fazia uns 10 dias, afff!! Dá vontade de sumir, mesmo sabendo que é super normal. Outra “regra” que percebi é que se antes do parto você estava com a malhação em dia a sua barriga vai ficar bem parecida ou igual como era antes (claro que depois de alguns meses), mas se você, assim como eu, estava acima do peso p-r-e-p-a-r-a a cinta porque o prejuízo é grande.

O formato da barriga pode mudar um pouco também no caso de cesariana, já que os músculos são cortados e recosturados.  Respire fundo. Demora um pouco para o corpo — principalmente a barriga — se recuperar totalmente da gravidez. Imagine que sua barriga era um balão, que foi enchendo conforme o bebê crescia. Quando ele nasceu, o balão não estourou de uma vez — o “ar” vai saindo de mansinho.
Assim que o bebê nasce, hormônios começam a atuar sobre o útero para que ele volte ao tamanho que era antes. Isso demora mais ou menos um mês para acontecer. Além disso, todas as células do corpo que tinham inchado devido à gestação começam a liberar líquido, que vai saindo em forma de urina, suor e secreções vaginais. fonte

Antes do parto eu já tinha questionado a minha médica sobre a cinta e ela recomendou o uso a partir do momento que eu conseguisse evacuar e também sugeriu para aguardar e comprar somente depois do parto, assim o  tamanho seria mais preciso e eficaz. Ah! Outra coisa que ela recomendou foi o modelo em que os feches ficam ao lado como essa foto aqui e foi o modelo que escolhi:

ImagemVou ser bem sincera, eu comecei a usar a cinta uns 7 dias depois do parto e não consigo me imaginar usando antes disso, no começo (principalmente se vc fez cesárea), vai ser difícil conseguir fechar porque a barriga fica inflada, mas depois de uma semana, ou até 10 dias, seu corpo já terá liberado liquido e sangue e você já vai dar uma desinchada considerável.

Aiiii, eu estava aqui lembrando o dia da compra :) Nós saímos de casa com a pequena e meu marido estacionou em frente a loja e eu estava amamentando no carro, Deus! No começo é uma loucura porque toda hora é hora para mamar, ufa! Aí a V. dormiu, coloquei no bebe conforto e corri para loja naquela tensão, pensando: “será que ela vai acordar, arrotar, regurgitar, será que meu marido vai saber o que fazer? Ela tinha uns 7 dias, mas deu tudo certo! A loja era especializada em cintas pós – cirúrgicas e a vendedora entendeu a situação e foi bem objetiva e prestativa. Fica a dica aqui, não adianta comprar qualquer cinta, procure lojas especializadas.

Cinta comprada e aí vem o 2 dilema… entrar dentro dela! Na loja a vendedora foi ágil e fechou rapidinho, mas em casa tive que pedir ajuda para o marido, ninguém merece! Olha, eu adorava usar a cinta e ficava com ela direto ( mesmo não sendo a coisa mais confortável do mundo.. vamos ser honestas né? #vidademae ) nos primeiros dias eu sofri com os feches que ficam na calcinha, mas a cinta dava muita segurança, principalmente na hora de dormir sabia? Incomodava a sensação de que estava tudo “solto”dentro do meu corpinho.

Outro dilema, foi que a V. nasceu na metade de outubro e logo começou a esquentar. Quem já usou as cintas pós- cirúrgicas sabe que elas não são muito próprias para o calor. Chegou dezembro e eu suava, mas  ao mesmo tempo fiquei com medo de ficar com a barriga muito “flácida” ,  Assim, resolvi recorrer para as calcinhas mais altas e  bermudinhas. Usava em baixo dos vestidinhos de verão e em casa com o ar condicionado ligado eu aproveitava e usava a cinta. Deu tudo certo, olha os modelos que eu comprei e que até hoje uso quando tenho casamento, ou dependendo da roupa me dá mais segurança com as gordurinhas:

ImagemImagemImagem

Alguns links de apoio:

1. Baby Center

2. Revista Crescer

 Você sabia que não existem provas científicas que a cinta efetivamente colabore com a aparência da barriga? Sacana eu né? Só no final do post coloco essa informação, mas repito que a cinta ajuda a dar segurança no dia- a- dia e esteticamente (como eu estava gordinha antes mesmo de engravidar) foi ótimo.   Resumindo, ajuda muito, mas ainda assim, existem médicos que não recomendam. Consulte o seu e boa sorte!

Qualquer dúvida, estamos aqui! Bjs!

2 Comentários

Arquivado em Gravidez

Cesárea – experiência pessoal

 Olá! Na semana passada durante uma sessão estética (Yes, estou fazendo e logo conto mais detalhes aqui!) a minha anja, quero dizer, minha esteticista comentou que a minha cicatriz da cesárea estava “clarinha” e quase não dava mais para ver e eu a-d-o-r-e-i! Minha boneca V. vai completar 02 aninhos e aos poucos vamos esquecendo (memória seletiva) algumas das situações que passamos. Nada como estar em contato com uma grávida que nos enche de perguntas e vamos relembrado todas as fazes que rapidamente são substituídas por outras.
2006_03_gestante_mini

Bem, vamos ao assunto do dia: Eu fiz cesárea!

Sim, eu fiz e se você que está lendo esse post e é radical ou fã do Filme “o renascimento do parto” pode me julgar e me odiar, mas o fato é que desde o 1 dia que descobri a gravidez eu não conseguia me imaginar tendo um parto normal, só de pensar me dava pânico total de suar frio.

Meu pai é médico e minha mãe teve 4 partos normais e eles crucificaram minha decisão, fizeram questão de conversar comigo (muitas vezes) para tentar reverter a decisão, mas não conseguiram. Fui determinada desde o inicio da gestação e não entrei em trabalho de parto, a V. não ficou encaixada e eu efetivamente fiz a cesárea.

Meu pai como médico e minha obstetra me alertaram que a cesárea era uma cirurgia e que ninguém está isento de uma complicação, mas digamos que no parto normal isso também é possível certo? Eu pesquisei muito, assisti vídeos, conversei com profissionais e nada conseguiu tirar meu pânico de passar pelo parto normal, e ao contrario de muitas grávidas eu rezava no final da gestação para não entrar em trabalho de parto ( é claro que se acontecesse tenho certeza que naquele momento o extinto  falaria mais alto e eu iria tentar).

Tudo isso pode parecer besteira e superficial para algumas de vocês, mas tenho certeza que alguém aqui compartilha da mesma opinião e que a minha paz de espírito por saber que eu realmente teria que fazer a cesárea não teve preço. Talvez na próxima gestação eu consiga encarar o parto normal, deseje com todas as minhas forças e me sinta segura… vai saber, né?!

Acho que existem profissionais e profissionais, se é que vc me entende? Eu confiei 100% na minha médica obstetra e com o monitoramento por ultrassom nas últimas semanas tive certeza que ela não estava simplesmente agendando um dia e hora para minha filha nascer, mas sim prezando pela nossa saúde e segurança.

Quem vai fazer cesárea deve saber que é uma cirurgia e que existe o pós cirúrgico também. Sabe amigo que protege outro amigo quando trai a mulher ? Uma comparação meio absurda, mas as grávidas (pelo menos as que eu convivi), nunca me disseram “se prepara porque depois vai doer”. Pessoal, para mim o óbvio deve ser dito e escrito se possível… ainda mais quando estamos falando de seres grávidos que vivem em uma bolha durante 9 meses e só conseguem pensar no baby.

Ok, vamos para parte prática, se vc optou ou vai precisar fazer cesárea posso te dizer que no meu caso:

– deu tudo certo, sem complicações com a cirurgia de anestesia (uhuuu!);

– foi “agoniante” (não consigo definir bem a sensação) o momento da anestesia;

– senti muita dor e quando a enfermeira me ajudou a levantar da cama para tomar o 1 banho eu vi estrelas, mesmo estando medicada;

– dizem para não falar muito para evitar gases, inevitavelmente vc vai parecer gravida de 5 meses;

– como não falar com as visitas (rss)? Rir e tossir podem parecer as piores coisas do mundo durante uns 7 dias;

você também não poderá carregar nada mais pesado que o próprio bebê;

– É normal que alguma parte da sua barriga fique meio adormecida. O corte da cesariana afeta alguns nervos. A sensibilidade pode demorar alguns meses para voltar;

– no 2 dia a dor já era uns 10% menor e eu tive esperança que iria dar tudo certo;

– pode ser que seu leite demore um pouco mais para “descer”, prepare-se psicologicamente para isso, porque rola uma frustração de não conseguir amamentar;

– depois de 2 dias na maternidade (que é um local preparado), com barras de proteção no chuveiro e cama alta, quando cheguei em casa rolou uma deprê porque o sofá era baixo, muita dificuldade de sentar e levantar para fazer xixi, eu queria circular dentro de casa e retomar a vida, mas meu corpo pedia mais uns dias de repouso;

– depois de 5 dias da cesárea eu estava ótima em relação a dor e já não precisava de muito analgésico;

– nos primeiros 4 dias vai parecer que vc fez uns 1000000 abdominais;

– eu tinha medo de fazer movimentos bruscos (e nem podia!);

– dirigir só depois de 15 dias;

– minha médica tirou os pontos depois de uns 15 dias e não doeu;

– fiquei usando uma fita de micro poro na cicatriz por mais de 1mês porque eu morria de agonia de ficar sem (eu me sentia desprotegida), foi a minha médica que indicou para proteger e evitar um queloide;

– tinha também uma pomada que eu usava (não lembro o nome, mas o ideal é que o seu médico fazer a prescrição conforme a necessidade).

Alguns links para vocês pesquisarem um pouco mais:

1. Baby Center (a-m-o)

2. Gui do Bebe (curtia dar uma espiada na gravidez)

3. Programa Bem Estar (tbm curto!)

4.  Post focado na cicatriz

5. Higiene no corte

Acho que era isso, espero ter ajudado e se eu lembrar de algum detalhe importante ou se vocês quiserem alguma info extra é só deixar um comentário aqui no blog ok?

Baci X buona settimana! (estou querendo praticar o meu italiano, rsss)

17 Comentários

Arquivado em Gravidez

O Doping das Crianças

Gente, vale conferir esse artigo escrito por ELIANE BRUM

O que o aumento do consumo da “droga da obediência”, usada para o tratamento do chamado Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, revela sobre a medicalização da educação?

epoca

Clique na imagem e confira!

Bjs!

 

Deixe um comentário

por | setembro 17, 2013 · 2:00 PM

Algo que funciona para mim: acordar muito cedo

acordar cedo

Uma coisa que você para de ter, de certa forma, depois do nascimento do bebê, é silêncio. Eu não digo silêncio no sentido de música alta, TV, pessoas conversando, choro, pedidos de colo e tal, digo aquele silêncio interior (ai, olha eu toda mística aqui… haha não, não) que acontece quando você consegue ler as notícias em silêncio, programar o seu dia em silêncio, estudar em silêncio, trabalhar em silêncio absoluto. Esse silêncio, para mim, vem da certeza de que ninguém vai me requisitar. Eu não vou precisar levantar de onde estou para fazer mamadeira para ninguém, trocar fralda, atender telefone, responder alguma pergunta ou qualquer coisa do tipo, esse momento é um em que não sou interrompida. Experimentar essa sensação só é possível, para mim, quando acordo muito cedo. Não adianta eu tentar ter esse momento de silêncio à noite, depois que filha e marido foram dormir, porque estou muito cansada, e esse meu momento não é um para ser vivido com cansaço, e sim com desejo de café, de notícias, de nada, de trabalho ou de estudo. Às vezes acordo às 4h da manhã, às vezes às 6h. A primeira situação geralmente acontece quando a Alis acorda de madrugada para mamar e eu enxergo aí uma possibilidade de ter esse silêncio e aproveito para levantar. Já a segunda situação acontece quando acordo cedo (6h é cedo, né?) e percebo que, se eu levantar, posso aproveitar uma ou duas horinhas de tempo-da-Melina. É nessa hora que preparo o café mais gostoso do mundo e noto que, nesses dias em que separo um tempo maior para mim, mesmo tendo dormido menos, funciono melhor e com mais disposição.

Tendo dito tudo isso, noto também que agora que a Alis está maiorzinha a vida está mais fácil. Consigo conversar com ela e explicar que preciso de um tempo para fazer alguma coisa. Tem horas em que isso funciona, tem horas que NÃO MESMO, mas tem melhorado. Essa é meio que uma dica de beleza interior, então, porque o resultado na cútis ao redor dos olhos não é dos mais bonitos, mas tem suas recompensas! Mesmo porque assim, né, sono a gente recupera em algum momento (só não no primeiro ano de vida dos nenéns, isso não tem jeito mesmo, o negócio nessa época é maternar em modo zumbi mesmo… hehe).

photo (3)

Depois que aprendi a fazer café cremoso, acordar tem uma motivação extra!

Alguém por aí faz o mesmo?

Beijones!

2 Comentários

Arquivado em Vida de mãe