Arquivo da tag: autonomia

Criança Autônoma com Brinquedos Acessíveis

Nunca li extensivamente sobre o método Montessoriano, mas já li algumas coisas em blogs, ouvi coisas em programas de TV e já conversei com algumas pessoas a respeito do assunto. Duas coisas que ficaram na minha cabeça foram a questão da autonomia e da acessibilidade, ou seja, a criança deve ser deixada “em paz”, sem um pai, mãe ou educador constantemente tentando estimular, ensinar e brincar junto. Traduzindo: os educadores devem deixar a criança ser autônoma e tomar decisões a respeito do que quer fazer/com o que quer brincar sozinha. Pois bem. Eu tento fazer isso com a Alis sempre que possível, mas devo confessar que sou um pouco “mãe helicóptero”, fico sempre que meio em cima, vendo o que ela está fazendo, se está colocando algo estranho na boca e tals. Já em relação a acessibilidade, acredito que eu e o pai da Alis tenhamos uma abordagem bem Montessoriana. Tentamos deixar quase tudo (menos a cama dela, que é berço e não cama Montessoriana, que tradicionalmente é no chão para a criança ter acesso a ela sempre que quiser) à mão, como você pode ver nas fotos abaixo:

Image

… e os livros (deixamos as duas prateleiras mais baixas com os livros que ela “pode” ler sozinha. As coleções e os livros mais especiais, deixamos nas prateleiras de cima):

Image

Aqui estão dois exemplos fofos de camas Montessorianas, para quem tem interesse:

Image

Esse sistema funciona bem com a gente. Por exemplo, nosso escritório em casa fica colado na sala, então passamos nosso tempo nesses dois ambientes ou no quarto da Alis, brincando. Quando estamos na sala, nem precisamos nos preocupar em trazer brinquedos da Alis porque ela mesma vai até o quarto dela buscar o que quer brincar. Como tudo o que ela está acostumada a mexer fica em prateleiras acessíveis a ela, não precisamos fazer nada e assim ela consegue exercitar a autonomia dela. Mesmo as caixas que colocamos na prateleira de brinquedos com os brinquedos menores a Alis já sabe abrir. Ela puxa a caixa para fora, abre as abas e pega o que quer.

A prateleira de livros compramos na Cassol e custou R$290,00. Já a prateleira de brinquedos compramos na Tok Stok e custou, na época, R$300 e poucos reais, mas estava em promoção. Uma amiga foi procurar o mesmo modelo e já estava perto dos R$ 500, no preço “normal” dela. Mas enfim, opções existem aos montes, mas acho que vale a pena isso de deixar as coisas acessíveis para estimular a autonomia. Dá pra colocar os brinquedos em uma gaveta baixa e ensinar que eles estão lá e a criança pode abrir sempre que quiser. Dá pra colocar em cestos acessíveis no quarto ou no ambiente onde a criança está acostumada a brincar. Dá pra ser criativo e inventar soluções para a acessibilidade e autonomia. Conta pra gente das suas ideias de organização do espaço da criança!

Beijo!

1 comentário

Arquivado em Produtos para os pequenos, Vida de mãe

Feriadão

Esse feriadão foi mágico (sim, eu sou naturalmente exagerada). A Alis tá demais, tá brincando como nunca antes, interagindo superbem com os meus amigos, sorrindo para estranhos, curtindo ficar com a gente e participar dos afazeres domésticos (que, vamos combinar, se multiplicam quando se tem um neném), mas o mais legal rolou ontem. Moramos numa casa, então tem grama, pedra, pássaros, água, árvore… é um pequeno pântano. Tentamos colocá-la na grama para sentir a textura e brincar e tal, mas ela teve um mini-ataque. Não forçamos a barra, deixamos a coisa acontecer no ritmo dela. Estendi uma toalha na grama e fiquei brincando com ela em cima da toalha. Em poucos minutos ela começou a brincar com uma graminha aqui, outra ali e logo já estava engatinhando por tudo e tentando colocar pedrinhas na boca. Olha, foi muito legal, tipo “momento propaganda de margarina”, sabe? A carinha dela de nojinho da grama se transformando em pura curiosidade e satisfação foi a coisa mais deliciosa do feriadão. É muito gratificante ver o desenvolvimento de um mini-ser.

Eu ficava brincando com o maridón, dizendo que essa era a iniciação da Alis como uma mulher selvagem, em contato com a natureza e com os instintos dela, seguindo o exemplo das mulheres da Clarissa Pinkola Estés. Boa semana, gentch!

Deixe um comentário

Arquivado em Vida de mãe