Real Life

Hello Girls!! Primeiro que dizer que estava com muita, mas muita saudade de passar por aqui e compartilhar as minhas experiências com vocês. Não tenho desculpas, mas tá faltando um pouquinho de organização pessoal para poder dar conta do recado. Nos últimos meses tenho me dedicado para a abertura de uma loja online e preciso deixar tudo prontinho até fevereiro. Somando  a correria do fim de ano ficou tenso o negócio por aqui.

O trabalho não rende muito né? Só tenho a parte da tarde para me dedicar sem interrupções e quando vejo já tenho que ir correndo buscar a pequena na escola. Bem, são escolhas da vida  e estou feliz com a minha :) Por enquanto decidi que não quero colocar a V. período integral, mas vamos ver como as coisas vão se encaminhar no próximo ano.

Ok, vamos lá! Hoje publiquei uma foto do @giseleofficial (que a Vogue Paris publicou tbm) na Fanpage do Mais que Mães. Na foto temos uma mãe amamentando seu baby e ao mesmo tempo sendo produzida por uma equipe de beauty. Mas como era a pobre da Gisele Bündchen o povo cai matando em cima com comentários do tipo “vida fácil”. Gente, qual é o problema das pessoas em crucificar a criatura? Confere a foto:

ImagemEu mesma já postei foto no nosso Instagram @maisquemaes fazendo escova com a Valentina no colo. Olha a prova:

ImagemAs pessoas julgam um fato isolado, trasnformam em noticia para dar ibope e comentam que a vida real não é assim, mas esquecem que cada um tem a sua vida, suas escolhas, oportunidades, falta de oportunidades, pobreza e riqueza. Nós sabemos que essa realidade é “possível” para uma minoria, mas aí crucificar a foto é demais!

Eu particularmente, não acho glamour ir para o salão  (que deveria ser um tempinho só meu), com a Valentina, mas as vezes tenho que fazer isso porque simplesmente não tenho opção, não tenho com quem deixar e aí me resta levar um mini ser que pode ficar bem quietinho ou simplesmente surtar por algum motivo.

A Gisele Bündchen ainda se deu o trabalho de escrever na legenda “O que seria de mim sem esse esquadrão da beleza depois de voar 15 horas e só dormir 3 horas. #mutlitarefas #mepreparando”.

Outro “acontecimento virtual” que despertou minha atenção e indignação foi um texto que li em um Blog por aí. O sujeito cria um post para contestar a atitude de uma mãe em um café. Resumindo, a mãe senta com a criança para tomar um café e a criança que teria, de acordo com o relato, por volta de 02 anos simplesmente não queria ficar sentada. A criança tem dois anos!! Vocês acham que uma criança com essa idade prefere sentar e ficar mega comportada ou desbravar o ambiente? Bem, o sujeito julga a atitude da mãe que deve ter tentado conversar com a criança, mas como não surtiu o resultado desejado ofereceu um celular “em troca”.

Ai, ai… o que é que tem de errado em fazer isso? Chantagem,  esse seria o nome correto? Alguém pode me dizer o que estava acontecendo com aquela mãe no momento, no dia, na semana? Se tem uma coisa que aprendi depois de ser mãe é não julgar outras mães, é tipo um mandamento sagrado para mim (salve situações absurdas ou maus tratos).

Será que a mãe tinha dormido de noite, tinha almoçado, será que a criança vai para escola ou a mãe da conta do recado o dia inteiro, será que a criança é ligada na tomada, será que ela tem marido ou alguém para ajudar, será que ela queria ter um tempinho só para ela se distrair, arejar a cabeça, será que ela tem uma mãe com câncer, um parente no hospital, será que ela estava de tpm?

São muitas as possibilidades não é mesmo? Eu tenho uma filha de dois anos e posso afirmar que não é fácil conversar e fazer com que ela entenda o que é certo e errado, eu sempre tento conversar muito com a V., explicar, responder as perguntas dela, dar exemplo para as situações, sempre levo opções de brinquedos, giz de cera, mas as vezes ela simplesmente não obedece e acontece de emprestar o celular, o sachê de açúcar/ sal, menu, chave do carro, ou qualquer outra alternativa para conseguir fazer o que deve ser feito.  Quando li o post eu pensei, não é possível que alguém escreveu isso e ainda deu embasamento teórico para tentar provar a teoria mirabolante descrita ali.

Sinceramente, se fosse meu marido eu não deixava entrar mais em casa! O pior é que não tive coragem de deixar um comentário no blog quando li o post.

Está faltando noticia por aí, acho que se as pessoas focassem mais em suas vidas  (coisa que eu não estou fazendo nesse momento), seria muito, mas muito produtivo.

Mil desculpas por essa volta “tenebrosa” (rssss), bjs!!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Vida de mãe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s