Farewell, dad!

Na semana passada, mais precisamente no dia 29 de novembro, perdi meu pai para o câncer. É estranho que o meu último post, que escrevi antes mesmo de saber que ele internaria no mesmo dia, trate do meu pai. Tivemos 4 bons anos para nos curtir desde que Hamilton Savi, meu pai, descobriu um câncer no intestino com metástases no fígado. O médico que o operou em uma cirurgia de emergência lhe deu 4, no máximo 6 meses de vida, mas a vida quis diferente e ele teve uma boa sobrevida de 4 anos. Nos dois primeiros anos eu e minha irmã nos revezávamos para cuidar dele, eu dormindo duas noites seguidas e a minha irmã uma, já que ela tinha/tem dois filhos pequenos, que eram ainda menores na época. Eu estava terminando o mestrado e não me custava ajudar a cuidar de um pai tão querido e atencioso.

Pai Jornal

Pai no DC de quinta-feira passada, dia 6, onde foi publicada uma matéria sobre a vida dele. Na foto, ele em Paris, curtindo a Europa que tanto amava.

Depois de dois anos, meu pai achava que não duraria muito e me pediu para viajar com ele para a Europa, meio que para se despedir do mundo em grande estilo. Fomos para Paris e Londres, duas cidades que ele ama de paixão. Eu, ele, minha sobrinha que estava com 12 anos e minha mãe embarcamos em dezembro de 2010 e lá, apesar de alguns probleminhas técnicos de saúde que ele teve, foi uma delícia e um sonho realizado. Novamente, o mundo tinha seus próprios planos e meu pai ficou muito bem até julho de 2011. Eu já estava grávida quando, neste mês, meu pai teve uma séria crise de encefalopatia hepática. Ele entrou em um estado catatônico muito estranho, não se comunicava, mas entendia o que os outros diziam, então conseguia comer e, com algum esforço, caminhar. Meus queridos tios entraram na jogada e nos ajudaram a cuidar dele. Aliás, meu pai se mudou para a casa da minha tia Raquel e lá ficou até março de 2012, quando se mudou para o Residencial Vida Nova, um lar para a terceira idade mais que maravilhoso e com uma equipe de primeira. Ainda quero escrever mais sobre esta experiência porque acredito que as pessoas têm uma ideia sobre lares para idosos que nem sempre bate com a realidade. Estava claro que ele estava em um lugar que, embora fosse simples para os padrões a que ele estava acostumado, é maravilhoso e extremamente humano. Meus tios realmente se esforçaram, dou todo o mérito a eles, mas meu pai já estava em um estágio da doença que, em família, acredito que se for possível pagar pela hospedagem do paciente em uma clínica, melhor. Meu pai começou a ter alguns distúrbios de personalidade depois que a encefalopatia hepática começou a se manifestar, então não era sempre fácil lidar com ele nessas horas. Ele ficava um pouco agressivo, demandava muito dos cuidadores, pedindo para ir ao banheiro de cinco em cinco minutos e ficando alterado quando seus desejos não eram atendidos prontamente. Em família, e digo isso porque eu confundi muito as coisas, é mais difícil processar essas manifestações de necessidades, mas em um ambiente preparado para doenças é mais fácil porque todos estão acostumados a isso. Lembro que da primeira vez que meu pai teve uma crise de agressividade, Eliana, a dona do Vida Nova, me ligou e contou o que havia acontecido. Eu, preocupada, perguntei “Ele vai ter que sair do Vida Nova?”, e ela me disse “Imagina, estamos acostumados, só estou contando o que aconteceu para vocês ficarem a par da situação”, ou seja, existe uma compreensão da doença que a família, por estar emocionalmente envolvida, nem sempre consegue ter. Aliás, digo isso não por causa dos meus tios, que, acredito, eram muito mais pacientes e capazes que eu, digo porque depois da crise de encefalopatia hepática, eu, grávida e em seguida com neném pequeno, nem sempre sabia lidar com as alterações de personalidade dele. Eu ficava triste, deprimida, preocupada, com raiva, impaciente, tudo junto e misturado. Eu, realmente, naquele/neste momento da minha vida em que estava me tornando mãe, queria o meu pai bem, participativo, curtindo a neta, me ajudando no processo de me tornar mãe, me ajudando a cuidar da pequena, participando das primeiras experiências, o primeiro cinema, a primeira fruta, o primeiro sorriso. Quando meu pai se recuperou da primeira vez da primeira crise de encefalopatia, olhou pra minha barriga e disse “A minha meta é conhecer a Alis. Depois disso, posso partir em paz”. E ele conheceu a netinha, curtiu a netinha até onde pôde, participou como foi possível e me ajudou dando valiosos conselhos sempre que estava lúcido e sempre, sempre, sempre me deu muito carinho e amor.

conselho 1

Em 2003, meu pai me deu o livro “Raízes do Brasil”, de Sérgio Buarque de Holanda e escreveu na dedicatória: “Melina, quem sabe escolher um livro nunca está só”.

Eu tive um pai maravilhoso e serei eternamente grata por todas as lições, todo o amor, a dedicação, a educação, as repreensões, os livros que ele me deu, os filmes a que assistimos juntos no cinema, os cappuccinos que tomamos juntos e que eram sempre regados a uma boa conversa, à força que ele teve para se manter vivo e bem (na medida do possível, como ele mesmo diria) para conhecer a Alis e ter seu papel de avô na vida desta pequena. “Saudade” é agora uma palavra eterna no meu vocabulário. Ainda bem que nasci no Brasil, onde ela existe.

No vídeo, grandpa Hamilton falando sobre sua experiência no Vida Nova com a netinha no colo!

PS: Eu faria tudo de novo!

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Vida de mãe

Uma resposta para “Farewell, dad!

  1. guara

    Oi Melina, chorei com o videozinho, com a troca de olhares amorosos…’tudo vale a pena…’ beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s