Sábado de manhã

Não vou negar que o desejo de ficar na cama por mais uma ou dez horas é uma das coisas que mais mexe comigo desde que a Alis nasceu. É tudo muito tranquilo porque ela realmente é uma fofura de neném, chora pouco, ri à beça e tal, mas o sono de sábado… aaaah, o sono de sábado. Bom, ele não me pertence mais. Mas, mesmo assim, mesmo estando há mais de 7 meses sem dormir uma noite inteira, poucas coisas me deixam tão emocionada quanto vê-la dar risadas. A Alis sorri desde cedo, mas pequenas gargalhadas e risadas começaram há um mês e pouco, e é delicioso. Olha só como foi:

Aliás, contando mais um pouco sobre sábados e segundas, terças e por aí em diante, pedi demissão do meu trabalho. Isso é pano pra manga de outro post, que será escrito em breve (saio do meu emprego no dia 10 de outubro), mas já adianto que não dei conta, e entre colocar a Alis na escolinha em período integral ou sair do emprego, escolhi o segundo. Pensei durante um loooongo tempo nas duas opções, mas nunca tive dúvidas, só não queria tomar uma decisão precipitada, então dei esse tempo só para ter certeza que eu não estava sendo impulsiva. O bom é que cada dia que chego na empresa para trabalhar nesses dias de “pagamento de aviso prévio” fico mais certa da minha decisão. Como disse a Chiara neste post, tentar ser a mulher maravilha pode ser prejudicial à saúde. Eu pude fazer essa escolha, e sei que várias mulheres não podem, mas resolvi investir numa carreira alternativa, fora do molde “das 8h às 17h”. Eu espero não desencorajar as grávidas ou mães que ainda estão em licença-maternidade. Esta é uma experiência bem pessoal, e tem a ver com morar longe do trabalho, ter muito trabalho no trabalho e ter que levar trabalho pra casa todos os dias… deu pra perceber que a palavra “trabalho” impera por aqui, né? E não me entenda mal, eu curto trabalhar, e ainda mais no emprego que eu tenho/tinha, mas o momento é outro e estou tranquila com a decisão. Acho que cada um sabe o que é melhor pra si, e sei que do jeito que as coisas estavam só existiam duas opções: surtar ou virar uma péssima mãe e funcionária. Não preciso nem dizer que nenhum dos dois era viável dentro da minha cabeça, né? Então assim… vamos acompanhar o andamento das coisas, que já estão beeem mais leves desde que eu “pedi pra sair”, à lá Tropa de Elite. ;)

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Vida de mãe

2 Respostas para “Sábado de manhã

  1. Que linda está a Alis, Mel! E aquela covinha que aparece no final das risadas, óóó…
    Sobre sua demissão, nem sei como foi o processo, pois acompanho de longe, mas te dou a maior força nessa decisão.
    Além de jovens (você, verde e alis), tem toda uma vida pela frente que, com certeza, será de muitas alegrias.
    Eu não sou mãe, mas aposto que acompanhar o dia a dia de um filho, ensiná-lo e aprender com ele é algo impagável.
    Logo logo vou aí visitar vocês!
    Beijos, Aline

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s